Jornal
O Binóculo

O Jornal O Binóculo foi criado por alunos do curso de Jornalismo do UNI-BH. Foi iniciado em 2004 e encerrado em 2009. (Atenção: Há links quebrados)

Revista Off-Line

Material gráfico de divulgação

Anúncio de encerramento do Jornal O Binóculo

Revista
(In)visível

A Revista (In)visível surgiu em 2011 a partir do reconhecimento da falta de espaços de comunicação acessíveis a um público vasto e diferenciado que viabilizem diálogos e debates através de abordagens críticas de temas que são caros aos veículos informacionais tradicionais. O que se pode facilmente constatar é que variadas temáticas de potencial relevância social ou são tratadas de maneira superficial e limitada pelos meios midiáticos ou, quando exploradas de maneira crítica e aprofundada, não conseguem – ou não aspiram – ultrapassar os imponentes muros que separam, com eficiência, o mundo acadêmico da então chamada “realidade social”. Por outras palavras, a idéia inicial foi a de a criar um espaço horizontal de discussão onde os temas eleitos para cada edição da revista possam emergir de invisibilidades impostas tanto pela espetacularização mercantil informacional quanto pela hegemonia do saber científico.

O projeto durou até 2014, quando publicou a sua última edição sobre a Loucura.

Pornografia

Revista (In)visível – Edição Zero
Setembro de 2011

Download gratuito Versão PDF

Escravidão

Revista (In)visível – Edição Um  
Outubro de 2012

Download gratuito versão PDF

Nesta edição propomos ampliar a perspectiva sobre a escravidão. Nossa intenção é escapar das visões amarradas no tempo histórico. Procuramos alargar o olhar sobre os diferentes enquadramentos teóricos e populares que têm dominado e marginalizado as interpretações deste fenômeno. A proposta é tratá-lo sem delicadezas etimológicas para que os leitores e leitores se deparem com um percurso mais desnudado em relação à dureza empírica do seu significado social. Boa leitura!

 

Loucura

Revista (In)visível – Edição Final
Abril de 2014

Download gratuito versão PDF

Como abordar a loucura? Pelo tratamento ou dando voz a ela? Quem são loucos e loucas? Até que ponto a loucura é considerada fuga da realidade? Ou é ela uma expressão da inquietação com o cotidiano? Quais os avanços científicos no trato com a loucura? Qual a realidade artística que emerge no diálogo ou internamente à loucura? A loucura é “arte” ou um mal psíquico? É gozo ou sofrimento? Nesta edição, proporcionamos aos leitores uma visão geral sobre o conflito – ainda irresoluto e sem “tratamento” – que se trava entre o olhar terapêutico, o artístico e a perspectiva humanizante.

Evento de lançamento

Leituras nuas com Juliana Japiassú, 
Realizado no dia 28 de Setembro de 2011 em direto pela internet. Bem antes dos diretos do Instagram, tá! 



NEWS

Jornal Público: “(in)visível: O porno já não é só para o homem-branco-heteroProposta de Orçamento para Desenvolvimento da Identidade Visual , escrito por